Orientações de retorno às aulas presenciais na Finlândia

1 — Limpeza

O COVID-19 é transmitido principalmente através de uma gota quando uma pessoa tosse ou espirra. É possível que o vírus também possa ser transmitido através de contato físico. O coronavírus não sobrevive por longos períodos no ar ou em superfícies de temperaturas variadas. Não foram detectados casos de transmissão da infecção através de mercadorias. Use um limpador de uso geral levemente alcalino na limpeza. Você pode usar desinfetante para acelerar a limpeza em instalações sanitárias. Siga as instruções de limpeza do Instituto Finlandês de Saúde Ocupacional.

• Limpe as superfícies de contato, como maçanetas, apoios de braços, mesas e mesas,
interruptores e torneiras de luz pelo menos uma vez por dia, de preferência duas vezes por dia.
• Evite usar equipamentos de trabalho compartilhados, como teclados, ‘tablets’ ou acessórios de artesanato (tesouras, etc.) e, se forem usados, sempre os limpe entre cada usuário.
• Não traga nenhum brinquedo para sua creche.

LIMPEZA GERAL EM TODOS OS TIPOS DE INSTALAÇÕES

Comece a limpeza de áreas mais limpas e prossiga em direção às mais sujas. Todas as superfícies que são frequentemente tocadas (por exemplo, maçanetas, apoios de braços, tampos de mesa, interruptores de luz, torneiras de água) precisam ser limpas com frequência e com cuidado.


Em locais públicos onde as pessoas tocam as superfícies, a limpeza deve ser feita diariamente, pelo menos. Se possível com mais frequência, p. entre 2 – 4 horas, especialmente durante a epidemia.


As instalações públicas dos locais de trabalho devem ser limpas com equipamentos diferentes daqueles utilizados pelos funcionários.


Use um detergente multiuso levemente alcalino para a limpeza. A limpeza das instalações sanitárias pode ser aprimorada usando um desinfetante.


Use luvas para proteger as mãos ao limpar superfícies. Use luvas descartáveis apertadas, por exemplo, como luvas de uso geral ou resistentes a produtos químicos. Saiba mais sobre as instruções sobre como remover luvas (em finlandês).
Em particular, os caixotes do lixo biológico e misto são revestidos com sacos facilmente removíveis e estanques nas latas do lixo. Monitore as latas de lixo e não deixe que elas cheguem a mais de três quartos. As latas de lixo são esvaziadas diariamente, especialmente em locais abertos. Os sacos de lixo coletados devem estar bem fechados.


Limpe cuidadosamente o equipamento usado na limpeza no final do processo. Lave os panos de limpeza reutilizáveis a uma temperatura de pelo menos 90 °C ou desinfetante. Limpe suas chaves, as alças do carrinho de limpeza e o equipamento de limpeza de piso e as superfícies de contato dos recipientes do limpador com o limpador multiuso desinfetante.


Após a limpeza, as luvas permanentes devem ser cuidadosamente lavadas e secas. Luvas descartáveis são colocadas em resíduos misturados. Lave as mãos até os cotovelos com água e sabão quando as luvas forem retiradas.


As roupas de trabalho são trocadas por suas próprias roupas antes de sair do local de trabalho. As roupas de trabalho devem ser lavadas no local de trabalho ou seu empregador deve adquirir serviços de lavanderia adequados.
d. Consulte as instruções sobre como tirar luvas descartáveis (em finlandês).

Retorno às Aulas Na Finlândia
Retorno às Aulas Na Finlândia

LIMPEZA DE BANHEIROS
Existem diferenças nas instruções sobre como limpar banheiros. Instruções de trabalho assépticas cuidadosamente planejadas não precisam ser alteradas de acordo com essas instruções. No entanto, é essencial observar que o vírus se espalha pelas fezes e que a limpeza de um vaso sanitário pode criar pequenas gotas.

Use luvas de proteção descartáveis sempre que limpar um banheiro. Ao limpar um vaso sanitário, use luvas de proteção longas que vão até o cotovelo em cima das luvas descartáveis e limpe as luvas longas com um desinfetante depois. As luvas longas devem ter um recipiente designado no carrinho de limpeza, no qual elas podem ser colocadas facilmente, sem tocar na superfície externa das mesmas, exceto pela abertura. Coloque as luvas descartáveis usadas por baixo das luvas longas em uma lixeira depois de limpar o banheiro. Saiba mais sobre as instruções sobre como remover luvas (em finlandês).


Limpe as maçanetas, as torneiras, o chuveiro com bidê, as bancadas, as pias, os espelhos, as paredes atrás das pias e os dispensadores de papel e sabão no banheiro com um pano úmido e o limpador desinfetante multiuso. Preste atenção especial à limpeza das superfícies de contato.


Aplique uma pequena dose do detergente no vaso sanitário, nos dois lados da tampa e no assento. Feche a tampa do vaso sanitário e lave-o.


Aplique o limpador do vaso sanitário na tigela e em suas superfícies verticais, prestando atenção especial às manchas. Coloque as longas luvas de limpeza. Limpe o vaso com uma escova de vaso sanitário. Lave a escova quando lavar o vaso sanitário e feche a tampa. Limpe as superfícies externas da tigela e as manchas na parede com um pano.
Ordem de operação recomendada no vaso sanitário: 1. Tanque de água, seu botão e giro do pano de limpeza; 2. Tampa superior e giro do pano; 3. Anel da sede e giro de pano; 4. Abaixe o assento do vaso sanitário.
Ao sair do banheiro, não toque na maçaneta e use um papel (toalha) para abrir a porta.


Coloque o pano de limpeza no saco de lavar roupa ou use um pano descartável. Desinfecte as luvas longas e coloque-as no recipiente designado.


Coloque as luvas descartáveis no lixo misto e coloque luvas novas.
Limpe o chão com o equipamento de limpeza e o limpador multiuso.

LIMPEZA ESPECIAL DE ÁREAS OCUPADAS ANTERIORMENTE POR PESSOAS INFECTADAS COM COVID-19

Use equipamento de limpeza que possa ser lavado facilmente após o uso e limpe o equipamento cuidadosamente antes do próximo uso. Quando possível, use equipamento de limpeza descartável, como lenços descartáveis, para limpar as instalações.


A limpeza deve ser feita principalmente usando métodos e suprimentos comuns, como um detergente multiuso levemente alcalino. Use um desinfetante para superfícies comumente tocadas, instalações sanitárias e manchas visíveis de fluidos corporais. Absorva manchas de fluidos corporais usando um pano absorvente descartável antes de usar desinfetante.


Após a limpeza geral, trate as superfícies que foram tocadas com desinfetante. O desinfetante pode ser à base de álcool (por exemplo, 70% de etanol), peróxido de hidrogênio (por exemplo, 0,5%) ou à base de cloro (por exemplo, solução de hipoclorito de sódio; concentração de 0,05%, use diluição de 1: 100 se a concentração inicial for de 5%). As instalações sanitárias nos banheiros devem ser tratadas com uma maior concentração de cloro (por exemplo, 0,1%). Observe as concentrações recomendadas e os tempos de contato indicados nos produtos. Desinfetantes, como substâncias à base de cloro, podem danificar as superfícies. Lave as soluções de cloro mais fortes que 0,5%. As superfícies tratadas com uma solução de cloro a 0,1% devem ser limpas com um pano úmido descartável quando o tempo de contato indicado tiver passado. Marque a data da limpeza e o horário.


Coloque os resíduos gerados durante a limpeza em um saco de lixo separado, feche-o firmemente e descarte-o imediatamente, colocando-o no recipiente de lixo misto.


Toalhas e outros tecidos, como roupas de cama, devem ser lavados principalmente usando programas de 90 graus. Use um detergente desinfetante para roupas se o tecido não for compatível com uma temperatura de lavagem suficientemente alta.


Consulte as recomendações mais detalhadas sobre o uso de desinfetantes fortes.

COMO OS TRABALHADORES DE LIMPEZA DEVEM PROTEGER-SE DA INFECÇÃO VIRAL?

Use roupas de trabalho e calçados fáceis de limpar. Ao limpar áreas que foram anteriormente ocupadas por uma pessoa infectada com COVID-19, use um avental impermeável de mangas compridas e / ou avental como uma camada adicional sobre a roupa.


Use luvas de proteção durante a limpeza (por exemplo, luvas de borracha nitrílica, espessura mínima de 0,3 mm, em conformidade com a norma EN 374-1). Garanta um suprimento adequado de luvas de proteção do tamanho correto.
Onde necessário, use luvas duplas ao limpar instalações sanitárias e ao manusear desinfetantes. Use luvas finas e descartáveis como camada interna e luvas resistentes a produtos químicos como camada externa. Descarte as luvas descartáveis após o uso em resíduos misturados. Consulte as instruções sobre como tirar luvas descartáveis (em finlandês).


Use um respirador ao usar desinfetantes à base de cloro (LINK para recomendações mais detalhadas, em finlandês)
Se o trabalho de limpeza envolver gotículas ou respingos significativos no ar, use um respirador (FFP₃) e um protetor facial ou proteção para os olhos, especialmente ao limpar áreas que foram anteriormente ocupadas por uma pessoa infectada com COVID-19. Consulte as instruções sobre como calçar máscara de filtragem (FFP₂ / FFP₃) (em finlandês).
Limpe o equipamento cuidadosamente no final do processo de limpeza.


Ao retirar o equipamento de proteção, tome cuidado para não tocar sua superfície externa.
Depois de tirar as luvas e outras proteções pessoais, limpe as mãos com água morna e sabão ou um desinfetante para as mãos à base de álcool. Se não houver água e sabão, use um desinfetante para as mãos à base de álcool e lave as mãos quando tiver a oportunidade. Lave as mãos e os antebraços após a limpeza.

CONTATO COM SERVIÇOS DE SAÚDE

Se você suspeitar que foi infectado pelo coronavírus COVID-19, entre em contato com seu provedor de serviços de saúde ocupacional ou o centro de saúde local por telefone.

2 — Instruções para frequência escolar segura e participação na educação infantil

1. Não vá à escola ou educação infantil se você está doente.

O coronavírus causa uma infecção respiratória. Os sintomas podem incluir uma
tosse, dor de garganta, febre, falta de ar (dispneia), dor muscular (mialgia), sintomas abdominais e dor de cabeça (https://thl.fi/en/web/infectious-diseases/what-s-new/coronavirus-covid -19-últimas atualizações / coronavírus-covid-19).
Nenhuma criança ou adulto deve frequentar a escola, ou a educação infantil, se tiver quaisquer sintomas que indiquem uma possível doença. Se uma criança ficar doente durante o dia, a criança sintomática deve ser imediatamente transferida para outro espaço acompanhado por um adulto para aguardar a chegada dos pais. Adultos devem evitar contato próximo com a criança doente, mantendo suficiente distância. Aqueles que apresentam sintomas devem contatar seu próprio centro de saúde e faça um teste de coronavírus conforme as instruções do centro de saúde.

2. Grupos de risco


Casos de COVID-19 grave são muito raros em crianças e o risco de contaminação não aumentaram em crianças e adolescentes saudáveis, cuja condição de saúde está sob controle. No caso de uma criança ou (família) membro com uma condição subjacente grave, ou que precisa de medicação regular comprometer os mecanismos de defesa, o médico assistente avalia se a criança pode retornar à escola ou à educação infantil.


Para aqueles que trabalham nas escolas e na educação infantil, as medidas são com base em uma avaliação de risco realizada pelo empregador. A assistência médica ocupacional apoia o empregador na avaliação de riscos.

3. Evite contato físico desnecessário


O COVID-19 é transmitido principalmente por meio de gotículas https://thl.fi/en/web/infectious-diseases/what-s-new/coronavirus-covid-19-latest-updates/coronaviruscovid-19. Situações em que as pessoas estão em contato direto umas com as outras devem ser evitado nas escolas e na educação e cuidados na primeira infância.


• Não organize grandes reuniões.
• Além de crianças e funcionários, evite permitir que pessoas de fora da equipe
passem algum tempo nas escolas e nos arredores dos centros de educação infantil e arredores. Cada unidade estabelece práticas adequadas á sua própria situação e instrui as famílias a agirem de acordo.
• Independentemente de uma higiene mais eficaz, certifique-se de que as crianças recebam
muito carinho, segurança e interação dos adultos, conforme necessário, como antes da epidemia.
• Os funcionários devem evitar se reunir, o que significa que os professores devem realizar suas reuniões principalmente remotamente.
• Os funcionários da educação e cuidados na primeira infância devem trabalhar com
um e o mesmo grupo de crianças.
• Não foram emitidos regulamentos sobre distâncias seguras entre pessoas.
Os grupos não precisam ser divididos; em vez disso, os espaços podem ser organizados
de forma mais apropriada.
• Como regra, para evitar a disseminação de infecções, os funcionários não devem
passar de uma unidade para outra.
• Nos termos da Lei da Assembleia, atividades na escola ou na educação infantil e os cuidados não constituem uma reunião geral, ou evento público. As atividades não estão sujeitas a nenhuma restrição de montagem.
• Os regulamentos sobre tamanhos de grupos e de pessoal estão em vigor conforme
na legislação sobre educação e cuidados na primeira infância e sobre educação básica.
Outras observações sobre as escolas:
• As escolas devem organizar seus espaços de maneira que haja menos
alunos no mesmo espaço que normalmente. Se necessário, ensino vazio
instalações (por exemplo, escolas secundárias) podem ser usadas para esse fim.
• Nas escolas primárias, os diferentes grupos de ensino devem ser mantidos separados
durante todo o dia escolar, bem como nas escolas de ensino médio e superior.

3 — Os aspectos centrais para os alunos

• Durante o dia escolar, contatos estreitos são evitados, por exemplo, através de vários arranjos de espaço.
• Os alunos são orientados diariamente para boas práticas de higiene.
• As orientações sobre práticas de higiene consideram a faixa etária dos alunos.
• Os contatos entre diferentes grupos de alunos são evitados, por exemplo, através de arranjos de espaçamento, merenda escolar e outras situações de transição.
• A presença de não alunos e funcionários da escola na área deve ser proibida. Cada unidade deve definir políticas adequadas à sua própria situação e instruir cuidadores e famílias, bem como parceiros, a agir em conformidade.

4 — Os aspectos centrais para a equipe

• O contato próximo entre a equipe deve ser minimizado.
• Os meios eletrônicos de comunicação são usados para interação entre funcionários.
• As transições entre unidades durante o mesmo dia são evitadas.

5 — Grupos e organização do ensino

• Nas séries 1 a 6, o ensino é realizado principalmente sob a orientação de um professor da turma, caso em que o ensino pode ser integrado de acordo com a divisão de horas.
• Nas séries 7 – 9, o grupo de ensino pode mudar se o ensino não puder ser realizado de outra forma.
• Nas séries 7 – 9, é possível que um professor mude de grupo de ensino no meio do dia escolar, se o mesmo não puder ser organizado de outra forma.
• A transferência de estudantes de um estado para outro é evitada, e recomenda-se que cada grupo de alunos estude em sua própria sala/ambiente. O uso seguro de espaços especiais, como a classe de artesanato, pode ser promovido através de limpeza intermediária.
• Se os grupos de ensino não puderem ser mantidos separados, o objetivo é escalonar o máximo possível e encontrar espaços adequados para o ensino.
• Em outras línguas maternas e estrangeiras, a educação especial em meio período, finlandês e sueco como segunda língua, bem como no idioma materno do próprio aluno e em disciplinas opcionais, por exemplo, os grupos de ensino geralmente consistem em alunos de diferentes classes. Nesse caso, o grupo de ensino do aluno pode mudar durante o dia escolar, se não puder ser realizado de outra forma.
• Os alunos geralmente usam apenas material escolar próprio. O trabalho escolar evita o uso de utensílios comuns que não podem ser facilmente lavados ou mantidos limpos.
• Entidades de aprendizagem multidisciplinares podem ser incorporadas nos dias de aula.
• Ao avaliar a aprendizagem, é bom lembrar que ela deve ser diversa e baseada em diversas evidências fornecidas já durante o ano letivo. Portanto, não é necessário usar as últimas semanas do ano letivo para exames adicionais.
• Durante as últimas duas semanas do ano letivo, é importante focar no apoio ao bem-estar dos alunos na organização do ensino.

6 — Avaliação da aprendizagem
• A avaliação segue sendo realizada de acordo com os critérios do Currículo do Ensino Básico de 2016.

7 — Educação preparatória para o ensino básico
• A pré-escola considera até que ponto os alunos podem ser integrados ao ensino primário ou até que ponto o aluno estará com o próprio professor, evitando contatos entre diferentes grupos de alunos.

8 — Educação adicional (aulas de apoio)

• Na educação complementar, o ensino presencial continua como no ensino básico, de acordo com o plano de estudo pessoal do aluno. Além do básico do currículo, a educação adicional também pode incluir aprendizado supervisionado na vida profissional, organizações e outros ambientes. De acordo com as diretrizes de higiene atuais, as atividades em ambientes de aprendizagem fora da escola podem continuar como planejadas até o final do ano letivo. O progresso dos estudos em circunstâncias excepcionais deve ser revisto e avaliado.

• A escola deve garantir que cada aluno do ensino médio se inscreva no ensino superior. O aluno tem o direito de receber orientação e apoio adequados na escolha de seus próprios estudos de pós-graduação e carreira.

9 — Estágios de transição na educação básica

• O ensino presencial também facilita o planejamento de transições para crianças e jovens na educação infantil e nas escolas. As práticas de transição fazem parte do currículo local. O provedor de educação deve planejar como apoiar a transição de alunos no ensino pré-primário para o primário (básico) ou do primário para ao secundário (médio). Por exemplo, os alunos que mudam para uma nova escola podem conhecer remotamente suas futuras escolas e professores. Possível cooperação relacionada a transições com diferentes provedores de educação e treinamento será implementada através de conexões remotas.

10 — Faltas ou ausências

No ensino pré-escolar e básico de acordo com a Lei da Educação Básica, o aluno deve participar do ensino presencial, a menos que tenha sido temporariamente concedida uma isenção por um motivo especial. Á partir de 14.05.2020 o ensino não pode ser continuado como à distância, mesmo que o município, a escola ou responsável o deseje.

A ausência de um aluno na escola pode ser baseada na Lei de Doenças Transmissíveis ou na Lei de Educação Básica. Nos processos de ausência, é importante buscar um termo de compreensão entre os envolvidos, mesmo em uma situação de pandemia.

Nos termos da Lei de Doenças Transmissíveis (1227/2016), um médico mencionado na Lei pode decidir sobre a ausência de uma pessoa que tenha contraído ou com suspeita razoável de ter a doença por um período contínuo de até um total de dois meses. Um médico também pode prescrever isoladamente ou em quarentena uma pessoa que contraiu, ou é suspeita razoável de ter contraído uma doença transmissível de perigo geral, ou uma suspeita de ser um perigo para outros.

De acordo com a lei, a quarentena e o isolamento deve ser realizados de tal maneira que os direitos de uma pessoa não sejam desnecessariamente restritos (Seções 57, 60, 63, 68 da Lei de Doenças Transmissíveis). O direito igual à educação do aluno deve, portanto, ser salvaguardado o mais plenamente possível nessas situações. Uma decisão sobre acordos especiais de ensino pode ser tomada para um aluno de acordo com a seção 18 da Lei de Educação Básica.
• A ausência/falta deve sempre ser solicitada e justificada.
• A escola considerará se existem motivos para a concessão de uma licença.
• A doença ou a inclusão de um aluno, ou membro de sua família no grupo de risco, do ponto de vista do risco de infecção, deve ser um motivo aceitável para a ausência.
Para avaliar os motivos da ausência, o profissional da educação pode, se necessário, exigir que o responsável forneça uma declaração adequada, como um atestado médico, de que a criança pertence ao grupo de risco. A escola não pode exigir que lhe sejam fornecidas informações sobre o estado de saúde do familiar de uma criança.
• O provedor de educação e a escola podem fazer diretrizes gerais para a emissão de autorizações de ausência, respeitando o direito dos alunos a receber educação básica.
• Devido à doença ou outras razões imprevistas, a permissão também pode ser concedida retrospectivamente
• Os alunos devem ser tratados igualmente, tendo em conta os seus interesses e situações individuais
• Nos processos de ausência, é particularmente importante uma boa cooperação e esforços para encontrar um terreno comum com os lares.
• Os pais devem ser informados sobre as práticas de absenteísmo e as razões para eles
• Você não deve vir à escola doente. Os responsáveis informam o professor da ausência do aluno devido à doença o mais rápido possível, para que isso possa ser considerado na organização do ensino, orientação e outros apoios, bem como no monitoramento das ausências.
• Para que o aluno não seja deixado para trás durante seus estudos durante sua ausência, justifica-se fornecer ao estudante orientação para casa, tarefas e materiais de estudo necessários, considerando sua situação individual. A possível necessidade de ensino de apoio ou outro apoio à aprendizagem devido à ausência do aluno deve ser considerada quando ele retornar á escola.
• Alunos que os pais não concordarem com a volta do ensino presencial, os mesmos deverão assumir legalmente a educação dos filhos, comprometendo-se em casa com a mesma e seguindo o plano educacional. Os professores não terão obrigação de aulas extras, visto que estarão disponíveis e apoiados pela lei educacional nas escolas e nos horários escolares.

11 — Regime de ensino especial

De acordo com a legislação, a educação oferecida a pessoa em idade escolar obrigatória é a educação presencial. Após o término dos regulamentos de implementação, o ensino não pode continuar como ensino à distância, mesmo que o organizador ou responsável deseje.

Em vez de conceder uma isenção temporária (ausência), uma decisão pode ser tomada sobre acordos educacionais especiais para o aluno, se justificado por razões relacionadas ao estado de saúde do aluno (Seção 18 (1) (3) da Lei de Educação Básica). Nesse caso, a educação do aluno pode ser organizada de maneira diferente da legislação da educação básica, por exemplo, pelo ensino à distância. Esse arranjo pode ser apropriado, por exemplo, para estudantes em risco que permanecem em casa. O julgamento do médico pode ser usado na tomada de decisões.

A Lei da Igualdade (1325/2014) obriga os provedores de educação e as escolas, entre outras coisas, a avaliar a implementação da igualdade em suas atividades e a tomar as medidas necessárias para promover a implementação da igualdade. Na sua opinião (13.5.2020, VVTDno-2020-393), acordos educacionais especiais devem ser oferecidos igualmente a crianças que estejam razoavelmente ausentes da escola devido à saúde de seus familiares, se acordos educacionais especiais forem feitos para crianças em risco. O Ministério da Educação, Cultura e o Conselho Nacional de Educação recomendam que isso seja feito temporariamente durante uma epidemia aguda de coronavírus.

Também é possível decidir sobre acordos especiais de ensino para os alunos que receberam uma decisão de apoio especial. Nesse caso, a decisão deve especificar em que medida derroga a decisão de apoio especial aos alunos por um período determinado. Uma decisão sobre as modalidades especiais de ensino previstas na seção 18 da Lei de Educação Básica pode ser exigida à Agência Administrativa Regional do Estado.

12 — Apoio dos serviços de atendimento ao aluno

Durante o ensino à distância, pode ter surgido uma situação em que o aluno não participou do ensino ou o aluno, ou seu tutor não foi contatado. É possível que o aluno não seja alcançado ou a ausência continuará mesmo após o retorno ao contato com o ensino.
No caso de ausências não autorizadas, identificar as causas principais e abordá-las o mais cedo possível é uma prioridade. As medidas de apoio necessárias e a experiência dos serviços de assistência ao estudo são introduzidas em situações em que o aluno tem muitas ausências por um motivo ou outro.

O funcionário da escola deve entrar em contato com os serviços psicológicos ou curatoriais de estudo sem demora, se considerar que o aluno precisa de tais apoios. Se não for possível entrar em contato com o aluno ou tutor, eles devem ser informados. Ao mesmo tempo, o psicólogo ou curador receberá as informações necessárias para avaliar a necessidade de apoio, sem prejuízo da confidencialidade. O contato pode ser baseado na necessidade de aprendizado de um aluno, bem como em problemas mentais ou sociais.
Os alunos são encaminhados para os serviços de saúde da escola, de acordo com a prática normal, se necessário.
As medidas e o apoio da própria escola para os serviços de atendimento ao estudante nem sempre são suficientes. Nesse caso, é necessária cooperação com os serviços sociais e de saúde do município e as atividades dos jovens.
Nas circunstâncias excepcionais do semestre da primavera passada, a necessidade de atendimento aos alunos aumentou. O profissional da educação deve continuar monitorando e avaliando cuidadosamente o impacto dos arranjos excepcionais de ensino adotados, especialmente nos alunos mais vulneráveis.

É importante que, antes do final do ano letivo de 2019 – 2020, a situação das competências dos alunos, as necessidades de apoio à aprendizagem e à escolaridade e suas possíveis necessidades de tutela sejam mapeadas em uma extensão suficiente. Também deve ser dada atenção especial à garantia do bem-estar de crianças e famílias em cooperação entre educação e serviços sociais e de saúde e trabalho com jovens.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Últimos Posts